Domingo, 30.10.11

Andar à procura de quarto é MUITO cansativo, ou porque: é caro (demais para os meus pais pagarem), é longe e pequeno ou não reúne as condições necessárias para eu (e alguém que tenha de passar mais de quinze dias sem ir a casa) viver, como ter acesso a uma cozinha ou ter uma máquina de lavar roupa e sítio para secar.

Andar à procura de quarto é uma aventura irritante, pela qual eu não passei enquanto caloira. Descobri que quando um quarto diz incluir todas as despesas menos a electricidade, é sinal de que os equipamentos de cozinha são eléctricos e as contas de luz são um exagero; ou que quando as despesas se limitam ao pagamento do condomínio, o prédio é todo XPTO e a renda um atentando à carteira dos meus pais e que procura quarto fora das épocas de Junho até Setembro é desgastante (já aprendi a lição).

Se nos próximos dias não me "virem" muito por aqui, já sabem, continuo na desesperante aventura de encontrar quarto.



publicado por a menina das bolhas de sabão às 09:57 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 18.10.11

Algo que sempre me causou incompreensão e repudio é a devolução de crianças aos centros de acolhimento. Segundo o Correio da Manhã online, entre 2005 e 2010, foram devolvidas aos centros de acolhimento do Estado 108 crianças em processo de pré-adopção e, só o ano passado, foram 12. Para Luís Villas Boas, director do Refúgio Aboim Ascensão, o elevado número de crianças devolvidas pelas famílias adoptantes resulta da "má avaliação" dos candidatos. "As instituições têm de ter capacidade para preparar estas crianças para uma futura integração numa família e, para isso, é preciso ter técnicas de várias áreas. Não é isso que se passa", diz.

Julgo que foi à dois anos que, num qualquer programa de televisão matinal, assisti à discussão e denúncia da devolução de três irmãos (ou duas, não me recordo ao certo) à instituição de acolhimento porque uma das crianças não se adaptou ao cão da família. Fui algo que me marcou e me fez perguntar que raio de país era este que permitia criar ilusões, esperanças e expectativas de amor, carinho e protecção nos meninos e meninas sobre a nova família. Como é possível que crianças sejam devolvidas apenas porque não correspondem àquilo que supostos papás e mamas esperam daquelas crianças... Não é por serem crianças abandonadas e em busca de família, que deixam de ser crianças e tornam-se naquilo que eles desejam. Como qualquer criança, portam-se mal e têm defeitos. Ou será que estes papas e mamas pensam que um filho biológico também é feito à imagem e semelhança daquilo que esperam deles só porque não é adoptado? Julgaram eles que, tal como um brinquedo, um automóvel ou um computador com avaria, uma criança também pode ser devolvida sem consequências para elas e o seu futuro?

Teria uns doze anos quando a minha mãe decidiu acolher, como família de acolhimento, uma criança da família, rejeitada pelos pais biológicos, cujo o destino mais certo seria um destes centros de acolhimento do Estado. Apesar de todas as dificuldades e críticas que enfrentou, apesar dos gastos de saúde avultados que teve e das noites mal dormidas, criou-a com o mesmo amor e carinho que tinha e têm pelos filhos biológicos. Criou-nos como irmãos e como irmãos nos olhamos e tratamos. Nunca, em tempo algum, pensou em devolve-la. Hoje é uma criança forte e teimosa mas, sobretudo, amadas por todos. Não deixa de ser chata e de me levar ao limite da minha paciência quando é desorganizada, mas é a minha irmãzinha e aí de quem se atreva a dizer o contrário... E, um dia, tal como a minha mãe fez, para além de um filho biológico pretendo adoptar ou acolher outra criança, amando e protegendo ambas de igual modo.



publicado por a menina das bolhas de sabão às 09:31 | link do post | comentar | partilhar

 

com uma serenata.

 

Foi à umas noites que assisti a uma, sob a lua cheia: uma tuna e música, uma serenata e um pedido de casamento - esta deve ser das poucas vezes em que uma mulher consegue recusar um pedido. Foi tão delicioso que, por momentos, desejei ser eu a feliz contemplada com aquele pedido.

Um dia que parta desta cidade, faço-o contente: jamais pensei assistir a um pedido como este, julgava que já não se faziam destas coisas nem homens assim...



publicado por a menina das bolhas de sabão às 08:08 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 13.10.11

O meu namorado vai fazer anos nos próximos dias e eu, qual namorada desnaturada, ainda não lhe comprei absolutamente nada. Primeiro, porque não o dinheiro é algo que não falta na minha carteira, segundo porque não sei o que lhe oferecer.

Apesar de ter um irmão mais novo, a verdade, é que nunca fui boa no que toca a escolher presentes para homens - acrescente-se, o meu irmão há-de-ser o homem mais esquisito à fase da terra, daí a espécie de trauma em relação a este assunto. Pensei em oferecer-lhe uma carteira, porque a actual é velha e desgastada, mal guarda as moedas; mas, ainda assim, queria algo mais, mais pessoal e mais meu, algo que ele não se esquece-se e, por isso, estou aberta a sugestões...



publicado por a menina das bolhas de sabão às 17:05 | link do post | comentar | partilhar

ver o autocarro parado, uns metros à minha frente, ter de aguardar pelo sinal verde para atravessar a estrada e, mesmo com uma corridinha, perder o autocarro... e, enquanto aguardo vinte minutos pelo próximo, maldigo o motorista e o calor fora de época - que me deixa toda transpirada ao fim de meia dúzia de passos.



publicado por a menina das bolhas de sabão às 16:43 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 12.10.11

Afinal enganei-me, começando hoje a ganhar forma um desejo de menina: fazer voluntariado.

Hoje, pouco depois de ter publicado o post anterior, recebi a chamada de um elemento da bolsa de voluntariado da cidade onde estudo; e, ao início da tarde, lá fui eu para entrevista. Contrariamente ao que imaginava, a bolsa de voluntariado desta cidade conta com mais de mil inscritos e, aproximadamente, cinquenta instituições disponíveis para os recebe-los. Jamais conseguiria calcular que existissem tantas instituições dispostas a receber voluntários, nem tantas pessoas interessadas em dispensar o seu tempo em prol dos outros.

Quando era miúda, achava piada ao facto de a maioria (se não, todos) dos bombeiros da minha vila, no Minho (sou estudante de fora, como costumo dizer visto que esta não é a minha cidade nem a minha terra) serem voluntários e queria ser como eles. Em tempos, enquanto estudante do ensino secundário, eu e uma amiga estivemos prestes a inscrever-nos bombeiros voluntários da cidade. Mas, por sermos dos arredores e serem escassos os transportes, ambas trabalharmos no verão e ter-mos entrado em pânico com a ideia sermos obrigadas a andar no meio dos acidentes de trânsito, entre feridos, sangues e mortos (ainda hoje, não sabemos se esta ideia era infundada ou não) acabamos por desistir da ideia. Na verdade, se hoje tenho este bichinho do voluntariado dentro de mim, devo-o aos bombeiros voluntários - que sempre exerceram um poder enorme de atracção e de orgulho, de louvor e respeito pelos trabalhos heróicos que realizam.

Durante a licenciatura, mantive o desejo de fazer voluntariado mas, o receio de não conseguir conciliar ambas as coisas, fez-me perder o ânimo. O facto de, nos últimos dias, me sentir sozinha e esquecida e o excesso de tempo livre que o mestrado me permiti, fez-me reavivar aquele bichinho que ficou. Apesar de fazer voluntariado numa instituição da minha área de formação, a verdade é que não me sinto realizada nem o consigo olhar como um voluntariado, mas sim como um passatempo e forma de conhecer a área em que me licenciei.

Dentro em breve, serei novamente contactada para confirmar se quero mesmo fazer voluntariado junto de crianças doentes. Apesar da vontade ser grande, o medo de olhar para aqueles meninos e meninas doentes é, inevitavelmente, maior - sobretudo, porque se trata de um compromisso de um ano... porque, se há coisa que mais me revolte é o sofrimento destas pequenas crianças.

Lanço a pergunta, ao qual gostava de obter testemunhos:


Alguém já fez voluntariado com crinças internadas? 




publicado por a menina das bolhas de sabão às 17:07 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

em que me arrependo de não estudar numa cidade como Lisboa ou, até mesmo, o Porto (apesar de, confesso, não gostar). Na cidade onde estudo, falta um pouco de tudo, mas à excesso de festas e álcool.

Gostava de fazer voluntariado mas, ou por falta de tal ou por falta de informação, é quase impossível encontrar algo; apesar de aguardar, à uma semana, um telefonema da câmara municipal para uma entrevista na bolsa de voluntariado da cidade. Nos sites acerca do voluntariado, a cidade onde estudo, nunca é referida. Aliás, a cidade onde estudo, peca por falta de muita coisa: como oferta cultural ou actividades diurnas.



publicado por a menina das bolhas de sabão às 10:50 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 10.10.11

acreditava que existiam amizades verdadeiras e eternas, daqueles que poderiam durar a vida toda, sempre juntas, até a velhice. Acreditava que a amizade era saber perdoar e respeitar as escolhas dos amigos, mesmo quando consideramos que aquela não é a melhor escolha. Acreditava que a amizade era saber estar presente, apesar das falhas e dos erros do passado. Acreditava que a amizade era estar com alguém porque gostamos da companhia e não porque não temos mais ninguém com quem estar. Acreditava que a amizade era ajudar a ultrapassar as mágoas e as dores que a vida nos provoca. Acreditava numa amizade que superava tudo, numa amizade que estaria presente nos bons e maus momentos.

Afinal, enganei-me, a amizade não supera tudo. Não existem amizades verdadeiras e eternas. Não existem amizades para a vida...



publicado por a menina das bolhas de sabão às 12:25 | link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

tive um blogue com o mesmo nome que o actual. Por sentir que deixava de me identificar, que lhe perdia o interesse e medo nele escrever, eliminei-o. Porém, hoje, preciso de libertar os desabafos de alma, do tudo e do nada. Recomeçar a escrever, numa espécie de diário virtual. Dar vida aos meus sentimentos, partilha-los com alguém, ou com ninguém... e, este, é para ficar.

 


tags: , ,

publicado por a menina das bolhas de sabão às 12:03 | link do post | comentar | partilhar

mais sobre mim
Email
ameninadasbolhasdesabao@sapo.pt
posts recentes

Uma aventura à procura de...

Devolução de Crianças

1 # Sonho...

Preciso de uma ideia orig...

Odeio...

Alguém já fez voluntariad...

Têm dias,

Eu,

Em tempos,

comentários recentes
Olá,Por agora, estou a fazer formação. Temos uma s...
Olá Nunca fiz voluntariado com crianças pequenas,...
Olá!!! Tenho uma certa pena de dizer isto, mas tam...
Já viste o chata que seria a vida sem estas pequen...
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


arquivos

Outubro 2011

Posts mais comentados
1 comentário
1 comentário
tags

adopção(1)

amizade(1)

amor(2)

aniversário(1)

arrepender(1)

azar(1)

b.(1)

blogue(1)

calor(1)

crianças(2)

desejar(1)

desilução(1)

devolução(1)

eu(8)

família(1)

início(1)

inspira-me(1)

sonhar(3)

vida(3)

voluntariado(2)

todas as tags

RSS